Chrome começa a bloquear publicidade automaticamente.

Navegador instala política de “boa propaganda” e desenvolve seu próprio bloqueador

Publicitários não são conhecidos pelos seus egos tímidos, porém, alguns anúncios tem ocupado espaços exagerados nas plataformas do usuário. Para acabar com propagandas irritantes, o Google Chrome lançou hoje (15/fev) seu próprio bloqueador, disponível para versões 64bits do desktop e aplicativos mobile.

O recurso não é uma extensão, mas sim um padrão ativado do navegador. A ideia é manter a internet mais “limpa” – ou, pelo menos, dentro dos padrões que diferem anúncios normais de intrusivos. Esses limites foram definidos pela Coalition for Better Ads, uma organização da qual o Google faz parte e tenta eliminar publicidades que interrompem ou atrapalham o uso dos usuários.

Cerca de oito formatos de publicidade serão banidas, como pop-ups, anúncios que sobrepõe a página, vídeos que executam sozinhos, vídeos com som automático, elementos fixo e grandes que seguem com a rolagem, entre outros. Para a versão mobile, alguns bloqueios se adaptam, como anúncios que ocupam mais de 30% da tela, etc.

Segundo o Google, o site que se enquadrar no bloqueio será primeiro avisado das violações dos padrões estabelecidos e, caso não haja mudanças, o navegador irá bloquear os anúncios do endereço por 30 dias. Os precisam ter atenção nesse ponto, pois toda a propaganda existente em suas páginas será bloqueada, não apenas as que violaram as normas.

As definições do que é justo ou não em termos de propaganda on-line foram definidas pelo Coalition for Better Ads através de uma pesquisa com 25.000 usuários da América do Norte e Europa. Apesar de envolver algumas polêmicas (como empresas acusando o Google de criar um padrão que se aplica apenas para eles), responsáveis afirmam que é uma medida que irá trazer benefícios para os usuários em geral. Ainda sim, o bloqueador não diminui o carregamento de recursos ou o envio de dados, por exemplo. O vídeo abaixo explica um pouco como ele funciona:

A navegação do usuário pouco mudará. O desktop irá avisar que anúncios estão sendo bloqueados da mesma forma que ele avisa de pop-ups, enquanto o Android mostrará uma barra inferior com a opção de permitir anúncios. O bloqueador ainda não está disponível para o Brasil, apenas para Europa, Canadá e EUA.

Publicitários não são conhecidos pelos seus egos tímidos, porém, alguns anúncios tem ocupado espaços exagerados nas plataformas do usuário. Para acabar com propagandas irritantes, o Google Chrome lançou hoje (15/fev) seu próprio bloqueador, disponível para versões 64bits do desktop e aplicativos mobile.

O recurso não é uma extensão, mas sim um padrão ativado do navegador. A ideia é manter a internet mais “limpa” – ou, pelo menos, dentro dos padrões que diferem anúncios normais de intrusivos. Esses limites foram definidos pela Coalition for Better Ads, uma organização da qual o Google faz parte e tenta eliminar publicidades que interrompem ou atrapalham o uso dos usuários.

Cerca de oito formatos de publicidade serão banidas, como pop-ups, anúncios que sobrepõe a página, vídeos que executam sozinhos, vídeos com som automático, elementos fixo e grandes que seguem com a rolagem, entre outros. Para a versão mobile, alguns bloqueios se adaptam, como anúncios que ocupam mais de 30% da tela, etc.

Segundo o Google, o site que se enquadrar no bloqueio será primeiro avisado das violações dos padrões estabelecidos e, caso não haja mudanças, o navegador irá bloquear os anúncios do endereço por 30 dias. Os precisam ter atenção nesse ponto, pois toda a propaganda existente em suas páginas será bloqueada, não apenas as que violaram as normas.

As definições do que é justo ou não em termos de propaganda on-line foram definidas pelo Coalition for Better Ads através de uma pesquisa com 25.000 usuários da América do Norte e Europa. Apesar de envolver algumas polêmicas (como empresas acusando o Google de criar um padrão que se aplica apenas para eles), responsáveis afirmam que é uma medida que irá trazer benefícios para os usuários em geral. Ainda sim, o bloqueador não diminui o carregamento de recursos ou o envio de dados, por exemplo. O vídeo abaixo explica um pouco como ele funciona:

A navegação do usuário pouco mudará. O desktop irá avisar que anúncios estão sendo bloqueados da mesma forma que ele avisa de pop-ups, enquanto o Android mostrará uma barra inferior com a opção de permitir anúncios. O bloqueador ainda não está disponível para o Brasil, apenas para Europa, Canadá e EUA.

A iniciativa do Chrome é um pé na frente, sendo ele o navegador mais usado por desktop no mercado atualmente, O bloqueio de anúncios já é uma realidade entre os usuários e a plataforma oficializou essa prática, mesmo que de maneira superficial. Para os anunciantes a novidade pode ser positiva, sendo que esse tipo de anúncio ganha mais poeira a cada dia. Para os publicitários que prestaram atenção em suas aulas de ética ou na criação da Sinapro, essa decisão não é novidade. Uma escolha necessária, antes que escolham por você.

Fonte: B9